8 de dezembro de 2016

A F1 continua chocada com Nico

A vida que ele quer é essa
O pessoal não se conforma que Nico tenha simplesmente tenha cumprido o que queria na F1 e siga vida adiante. O que parece é que o mundo da F1 ficou chocado foi com isso. Como assim alguém não quer ficar aqui vencendo e vencendo e vencendo e lutando até não aguentar mais?

Todas as entrevistas tem esse tom. E mais, ele não está largando a F1 por outra categoria. Ele se aposentou do automobilismo como um todo. Ele venceu o que queria e deu. Simples assim para ele.  É chocante porque estamos acostumados a ver o automobilismo como uma cachaça, um vicio.  Para Nico, não. Ele não é o viciado que somos.  É interessante observar isso que é inédito na história da categoria.

Olhem como ele fala da esposa. Da família. Ele tem um novo vício.

Ah! E enquanto Lewis fica fazendo piadinha escrota na imprensa dizendo que quer como companheiro alguém que aguente pressão, Nico vai lá e diz de livre espontânea vontade que finalmente vai poder ser amigo do Hamilton novamente.  Notem a diferença.
 
Aliás, Lewis precisa de terapia. Eita pessoa com baixa estima disfarçada de arrogância. Precisa de auto afirmar segundo a segundo. Quando dá entrevista sobre os outros fala mais dele do que qualquer outra coisa.

Recém-aposentado, Rosberg descarta voltar às corridas e diz: “Vou poder ser amigo de Hamilton novamente”


Em um meio tão competitivo e até cruel como o da F1, as amizades verdadeiras são muito raras. Nico Rosberg, por exemplo, chegou a ser muito amigo de Lewis Hamilton, sobretudo nos tempos de adolescente, quando os dois, aos 13 anos, foram companheiros de equipe no kart. Mas a vontade de um querer bater o outro desde que passaram a dividir os boxes da Mercedes, em 2013, corroeu a amizade que havia entre os dois, dando lugar a uma das grandes rivalidades da década.

Mas depois de sair de cena e se aposentar apenas cinco dias após ter conquistado o título de campeão mundial, Rosberg mostrou o desejo de resgatar a amizade com Hamilton. O agora ex-piloto deixou claro que não pretende voltar às corridas, dedicando todo o seu foco à família, sobretudo à esposa e à filha. Mas abre também a possibilidade de voltar a ser amigo daquele que um dia foi seu maior rival na carreira.

 “Estou satisfeito por ter conquistado tudo o que sonhei. Minha mulher está feliz, ela agora vai ter um marido de verdade em casa. Seus sacrifícios também foram fundamentais. E agora vou poder ser amigo de Lewis novamente”, comentou Rosberg em premiação promovida pela revista italiana ‘Autosprint’, em Bolonha, onde recebeu o Capacete de Ouro.

Corridas, mesmo, apenas ocasionais, e no kart. Mas não faz parte dos planos de Rosberg voltar a competir em alto nível, ao menos por enquanto. Tudo o que o alemão de 31 anos deseja é se divertir e estar em um ambiente mais leve ao lado das pessoas que ama.

“Vou me dedicar à minha família, já que pouco a vi nesses anos. Tenho muitos projetos. Tenho certeza de que vou me divertir. Vou correr um pouco de kart e vou andar de bicicleta, mas nada de corridas em carros por agora. E não vou vender sorvetes em Ibiza”, brincou o novo campeão mundial de F1.

No “topo do Everest”, Rosberg garante que era hora de deixar F1: “Meu objetivo era ganhar um título, não cinco. E fiz isso”

Nico Rosberg reiterou que se sente seguro da decisão que tomou e disse estar ciente de que está deixando a F1 no momento certo, especialmente porque queria parar "no topo da carreira". O alemão surpreendeu o mundo do automobilismo na semana passada ao anunciar a precoce aposentadoria apenas cinco dias depois de ter conquistado o tão sonhado título da maior das categorias do esporte a motor.

O agora ex-piloto agradeceu o apoio dos fãs ao longo dos anos e revelou que pretende iniciar novos projetos de vida, já que atingiu a meta que havia traçado para sua carreira e disse que o campeonato foi como alcançar o topo do Monte Everest.

"Estou satisfeito com a minha carreira, tenho tudo que queria desde quando criança, ganhei corridas e me sinto realmente ótimo. E queria deixar o esporte por cima, eu escalei o Monte Everest e agora estou no topo dele", comparou Nico em declaração à revista italiana ‘Autosprint’.

Quando questionado se tem alguma preferência quanto ao seu substituto na Mercedes, Rosberg respondeu que deseja ver apenas um "bom piloto, um que consiga defender bem a equipe e nada mais".

Por fim, Nico afirmou que quer agora apenas aproveitar o momento e seguir a vida. "Meu objetivo era ganhar um título, não cinco. E consegui isso. Por isso, agora tenho de parar e aproveitar a vida", encerrou.

Fonte das matérias: Grande Prêmio

By Lu

Um comentário:

Carlos disse...

Chega de discurso hipócrita e também estes venenos do Senhor Lewis Hámilton e outros que circulam na empresa. Nico se aposentou e teve os seus motivos pronto. Agora vamos ver o campeonato de 2017 com as novas regras.