2 de setembro de 2014

Alonso ""It's not my intention at the moment to move"

Fernando Alonso has ruled out leaving Ferrari despite another year of frustration with the Scuderia and the flattery of McLaren making their interest in re-signing him public.

The Spaniard, a two-time title winner with Renault prior to a tumultuous single year at McLaren alongside Lewis Hamilton, is still widely regarded as the best driver in F1 but has cut an increasingly frustrated figure this year with Ferrari unable to keep pace with runaway championship leaders Mercedes after four successive seasons of playing second fiddle to Red Bull.

"Our season has been frustrating because we had high hopes with this year’s new regulations and starting from zero with all the other teams we thought we could have an advantage with all our facilities and input from everybody. But we have found ourselves not in the right position and not competitive," Alonso told Sky Sports News HQ’s Rachel Brookes in an exclusive interview ahead of this weekend’s Italian GP. "We are further away from the leaders than during any other season this year, we are sometimes one-and-a-half seconds away from Mercedes."

But after committing the second-half of his F1 career to Ferrari, the 33-year-old Alonso is not for turning.

"It's not my intention at the moment to move, I want to win here and finish the job that we started some years ago and we will see what the future comes," he declared.

“There has been a lot of talk since last summer but from my mouth there never came any interest to leave Ferrari or any words saying l would join another team. There was a lot of speculation, which is not disturbing but it created a little bit of tension and stress. Yet you also feel happy and proud that the best teams have an interest in you and say so in public."

Marco Mattiacci, who replaced the ousted Stefano Domenicali as Ferrari Team Principal in April following their dismal start to F1’s new turbo era, announced last week that both Kimi Raikkonen, who has endured a torrid season in the ill-handling F14 T, and Alonso would be retained for 2015. Mattiacci's appointment caught many in the paddock by surprise given his lack of experience in F1 and Alonso says his new boss' unfamiliarity with the sport has already proved challenging.

"He is trying to change many things and it is good and a bad thing that he doesn't know much about Formula 1. It is a negative when you need to change very precise things on the car where we are weak compared to our competitors. But it is a good thing because he has very fresh ideas."

According to Ferrari, Alonso is under contract until 2016, although paddock gossipers have speculated that his deal contains a release clause directly related to the team’s position in the Constructors’ Championship – third at present, but just ten points ahead of Williams.

Alonso’s renewal of vows with Ferrari is likely to be good news for Jenson Button, with the Englishman kept in limbo while McLaren pursued the possibility of luring Alonso back to Woking. The Spaniard's solitary year at McLaren descended into one of the most acrimonious and controversial in F1's history when his ferocious rivalry with then rookie Hamilton split the team into two, enabling Raikkonen to snatch the 2007 championship out of the grasp of the warring team-mates. The parallel with this year's battle between friends-turned-foes Hamilton and Rosberg at Mercedes is obvious.

"When, in the same team, there are two possibilities of winning, it is not easy,” Alonso mused. “Definitely [the Mercedes garage will be divided] because it is not only the drivers, it is the mechanics and engineers, and the driver’s mind will change when you are against your team-mate because, even if you don’t want to, your mind will always be looking for something weird which is going in favour of the other driver.”

Button was scathing in his assessment of Rosberg's manoeuvre at Spa two weeks ago when he punctured Hamilton's race-leading Mercedes, describing the German's botched attempt at an overtake as "unbelievable". But Alonso's view of the incident is altogether more sanguine.

"It was a racing incident," he declared. "It's impossible that Nico from the cockpit could have been so precise with his front-wing to have cut a tyre off another car, you need to be in surgery at the hospital with that sort of precision. Definitely, we are not so precise.

"They touched, and the bad part of the incident was for Hamilton, but it could have been the other way around - maybe Hamilton's tyre resisted and Nico had to change the front-wing and his race was over."


Note Fernando's reluctance to refer to his former team-mate as 'Lewis'. Some rivalries, it seems, never entirely fade away.
(fonte: http://www1.skysports.com/)

***
"It's not my intention at the moment to move, I want to win here and finish the job that we started some years ago and we will see what the future comes."

Pronto. Fico com isso! Não tem nada mais a comentar sobre o assunto!

O chato é que não dá par ver o vídeo... Putz! Mas o link está AQUI...

E o que FOI o comentário final da matéria?!!! Oi?!!!! hahahahahaha Aí meus sais... sem comentários!

Bjuss, Tati

Fotos - Uno Entre Cien Mil

O dia foi repleto de Fernando Alonso!!! E por uma boa causa! #adoroooooo

Detalhe para as roupas combinando!!!! Reparem que lindinhos!

http://driveyourdreams-fa.tumblr.com/
http://driveyourdreams-fa.tumblr.com/
http://driveyourdreams-fa.tumblr.com/
                                         alonsista.yo
http://driveyourdreams-fa.tumblr.com/
                                   
Como conseguir olhar a foto a seguir e ficar inume a este sorriso!?! Me diz... ou melhor... não diga não, não quero ficar inume! Quero sorrir junto...

http://driveyourdreams-fa.tumblr.com/

Bjuss, Tati

El 'Pulseras Bucket Challenge' de Alonso

Foto:As.com
Alonso: "No es mi intención cambiar de equipo"

Fernando Alonso analizó la actualidad de su vida profesional en el acto de presentación de unas pulseras solidarias en Madrid. El piloto español confirmó su continuación en Ferrari, desminitió la llamada de Ron Dennis, habló de la lucha de Rosberg y Hammilton y de la situación de Ferrari en esta temporada.

"Desde al año pasado en verano se lleva especulando dónde voy a correr el año que viene. Ya son doce meses de rumores o declaraciones de otros equipos, pero yo en estos doce meses no he dicho otra cosa que no sea que voy a correr en Ferrari. Tengo contrato y mi intención es seguir con ellos. Siempre agrada que otros equipos hablen bien de ti, pero nunca he dicho una palabra distinta", comentó Alonso.

Además, el español desmintió una posible llamada de Ron Dennis, jefe de McLaren en la que le habría intentado convencer para que firmara con la escudería inglesa: "No es cierta al cien por cien", declaró, a la vez que comparó la lucha de esta temporada por el título entre Hamilton y Rosberg con la que tuvo él con el inglés en 2007.

"De la lucha hay cosas parecidas y cosas que no son tanto. Cuando luchas con tu compañero por el campeonato el mundo es inevitable tener cierto roce porque es el rival que tienes que batir con tu mismo coche y además estás luchando por el título".

Sin embargo, Alonso destacó una gran diferencia, que es la superioridad de Mercedes este año: "Lo que está sucediendo este año es normal. Pero ellos tienen la suerte de que tienen tanta ventaja respecto al resto de equipos que aunque luchen o pase algo en alguna carrera, seguirán muy por delante. En 2007 sabíamos que se lo llevaría Ferrari y así fue al final", lamentó.

Insistiendo en el futuro, fue preguntado acerca de si ya piensa en la temporada 2015: "Lógicamente este año, a falta de ocho carreras, poco va a cambiar la cosa. Van a ser ocho carreras de apretar los dientes. La esperanza es para el año que viene. Ojalá podamos reducir distancias con Mercedes. Hay que seguir trabajando. Es verdad que estos años en Ferrari no se ganó el título, pero en dos se llegó hasta la última carrera con opciones y se han ganado grandes premios. Creo que han sido años muy buenos de los que tengo buenos recuerdos, aunque en el futuro, sin duda, queremos ganar", acertó a decir.

Preguntado por si sería un fracaso terminar esta temporada en el Mundial de Constructores en cuarto lugar, por detrás de Williams, señaló: "No, sería lo justo. Si acabamos cuartos en constructores será porque lo hemos hecho peor que otros tres equipos. La realidad de este año es esa, y dentro de esa realidad no estamos contentos. Este año cambió la normativa, esperábamos recortar distancias con Red Bull y no hemos hecho el trabajo como otros equipos y nos hemos quedado atrás".

También analizó lo que será el Gran Premio de Italia de este fin de semana, en el que espera sufrimiento por parte de Ferrari. Sobre el papel es una de las carreras más difíciles para nosotros. Son circuito de potencia, sólo hay rectyas y frenadas, y por tanto las carencuias de motor pueden acentuarse. Hay ajustar aerodinámica y pequeños detalles para hacer una buena carrera", explicó Alonso, que no cree que como otros año "vaya a haber ningún anuncio en particular" en Monza.

Respecto a Hamilton y Rosberg

"En 2007 sabíamos que si pasaba algo en alguna carerra, se lo llevaría Ferrari"

"Otros años se anunciaban cosas en Monza pero no creo que sea esta vez. Quien venga o quien salga hay que tener confianza en Mattiaci, que sabrá elegir a los mejores. Todos los cambios que se hagan en el equipo están pensados para mejorar", añadió.

Lo que tiene claro Alonso es que, a sus 33 años, aún no piensa en una retirada: "No creo que sea un problema de edad. Lo dejaré cuando vea que no me llena más ni tenga sensación de adrenalina con estos coches. He sacrificado cosas con este deporte como el contacto con la familia o los amigos, pero no me arrepiento. El deporte me ha dado más de lo que me ha quitado. Soy un privilegiado de hacer lo que me gusta".

La nota graciosa la puso Ángel, el niño que acompañó a Alonso.

"A Ángel no creo que haya que darle ningún consejo. Son ellos los que nos enseñan muchas cosas. ¿Qué me dijiste? Se gane o se pierda lo importante es...", dejó Fernando terminar al niño. "¡Ganar!, respondió Ángel, dejando en evidencia al piloto y provocando unas risas emotivas en la sala. Luego, el asturiano aclaró que le había dicho "que lo más importante es siempre luchar", palabras que verificó el pequeño.
(Fonte: MARCA.com)

Para assistirem os vídeos, cliquem AQUI e AQUI

Para verem a reportagem do AS.com... AQUI

Bjuss, Tati

Fernando Alonso: Uno Entre Cien Mil

###

Acho que pessoas famosas devem fazer de sua imagem algo que seja válida para poder ajudar a vida de outras pessoas... Isso os tornam mais "normais". Acho bonito!

Se a campanha tivesse sido lançada há um mês atrás, teria comprado a minha! Uma pena...

Mas quem for a Espanha e puder comprar, fica a dica...

" Viceroy, como primera acción de colaboración, ha lanzado una colección de pulseras solidarias cuyos beneficios irán destinados a la investigación de la leucemia infantil. Las pulseras se podrán comprar en los puntos de venta de la marca y en todos los centros de El Corte Inglés. Además, tanto en los puntos de distribución como en el propio packaying de las pulseras, los compradores podrán encontrar información sobre el trabajo de la Fundación Uno Entre Cien Mil y hacerse socio. Te invitamos a que te hagas socio de la Fundación y seas parte de la curación de la leucemia infantil."
#pulseraentrecienmil

Para entender a campanha, clique AQUI

Bjuss, Tati

Serenidade

Domenicali reitera que assumiu culpa por fracasso e diz que Ferrari precisa recuperar serenidade

Stefano Domenicali falou um pouco mais sobre a experiência que viveu como chefe da Ferrari e revelou que ainda sente falta da F1. O italiano reiterou que assumiu a responsabilidade pelos fracassos recentes da equipe e que não guarda mágoas

Aos poucos, Stefano Domenicali vem revelando a experiência de comandar a Ferrari nas pistas e a saída do time italiano no início desta temporada. Domenicali trabalhou por 23 anos na fábrica fundada por Enzo Ferrari e assumiu a difícil posição de chefe de equipe no fim de 2007, tendo trabalhado anteriormente apenas em funções de administração e recursos humanos em Maranello. Stefano havia entrado no lugar de Jean Todt. E quem o substituiu agora foi Marco Mattiacci, que liderava a diretoria-executiva da marca italiana nos EUA.

Domenicali renunciou ao cargo em abril, pouco antes da prova da China, devido aos maus resultados ferraristas, em uma manobra pouco explicada na época. "Eu tomei a responsabilidade pelo fracasso", afirmou Stefano em entrevista reproduzida pela 'Autosprint' ao jornalista e escritor italiano Leo Turrini.

"As coisas não correram como eu esperava e como era esperado, então não faz sentido para mim agora o Pontificado. Obviamente, eu tenho as minhas próprias ideias e um dia vou encontrar um amigo que vai colocar tudo isso em um livro, mas não pelo exercício da controvérsia", explicou. 

"Da Ferrari só digo isso, em silêncio, pelo amor que tenho pela equipe e também fazendo uma autocrítica: não seria nada mal recuperar a serenidade lá dentro, porque nós vimos gente inteligente que teve oportunidade de demonstrar seu próprio talento", completou. 

O ex-chefe ferrarista também falou sobre Fernando Alonso e negou que tenha tido qualquer tipo de problema de relacionamento com o espanhol, a quem chamou de "boa pessoa". "Não é verdade que tivemos uma relação difícil ou que ele tenha tido uma relação difícil com a equipe", disse. 

"Fernando é uma boa pessoa e digo isso com a maior franqueza. Em comparação com Schumacher, certamente a relação era mais aberta no que diz respeito à comunicação, talvez, às vezes, a coisa foi mal traduzida, mas nunca foi negativa com relação à equipe, à Ferrari. Mas ele não teve sorte, ninguém teve. Pagamos pelos nossos erros, mas se tivéssemos vencido muitos títulos, ninguém falaria nada." 

Domenicali também se disse orgulhoso por ter levado Kimi Räikkönen ao time. "Räikkönen é uma pessoa muito diferente de Fernando, mas eu o acho adorável. Tenho orgulho de tê-lo trazido de volta a Maranello. Lamento só não ter garantido a ele e a Fernando o carro que eles mereciam, mas sobre as causas do fracasso, como já disse, não quero falar, não agora, porque não seria justo", completou. 

O italiano, entretanto, não deixou de comentar sobre talvez o episódio mais polêmico de sua passagem pela Ferrari, que foi a ordem de equipe de 2010, durante o GP da Alemanha, em que o time pediu para Felipe Massa ceder a vitória a Alonso. 

"A minha lógica, que era um ensinamento de Luca di Montezemolo e de Jean Todt, era clara: o interesse da equipe sempre prevalece e deve prevalecer. Além disso, existem muitas maneiras de lidar com a realidade imposta na pista. Eu sempre tentei esclarecer as coisas com antecedência. Por exemplo, as coisas horríveis que escreveram em 2010 sobre a ordem dada na Alemanha. Havia certa hierarquia na noite de sábado, não houve um golpe baixo de último momento", contou. 

Por fim, Stefano disse que, embora convidado, não deve comparecer ao GP da Itália deste fim de semana e revelou que sente um pouco de falta da F1. "Por quase 25 anos, o fim de semana do GP da Itália foi a minha corrida de casa", disse Domenicali, que mora a poucos quilômetros da icônica pista de Monza. 

"Eles me convidaram, mas, desta vez, acho que vou ficar longe. Se sinto falta da F1? Sim, um pouco, acho que é inevitável. Mas eu dei tudo de mim no trabalho que fiz", encerrou. 

Fonte: Grande Prêmio

A vida é engraçada. Existem algumas pessoas na F1 com as quais eu jamais poderia dividir uma sala, tamanho o meu asco por elas. Por muito tempo (desde 2008, para ser mais exata), Stefano Domenicalli estava entre estas pessoas.

Na época de sua demissão (porque não engulo isto de renúncia ao cargo) não fiquei com pena. Gostei de vê-lo recebendo o tratamento cruel que recebeu pelo simples fato de sim, me sentir vingada pela forma como eles (incluindo ele) se desfizeram de Kimi em 2009. E não adianta virem com o argumento que pagaram muito, porque isto não importa para mim. O dinheiro fez diferença para Räikkönen, não para mim.

De 2008 para cá, tudo o que eu achava de bonito na Ferrari, sua tradição, sua torcida, TUDO, deixou de ser algo que me encantava, para se tornar algo que eu abominava. E Domenicalli fazia parte disto.

Mas hoje, lendo esta entrevista dele, a maneira como falou de Kimi, de como mencionou a equipe, percebi que algumas coisas mudaram. Não abomino mais o cara que disse ao finlandês que não precisavam mais dele na Ferrari, na verdade, percebi que nestes anos todos, eu sentia mágoa, o que definitivamente é muito pior na minha opinião. Não adianta mais elogiar ou dizer que ficou feliz por trazê-lo de volta, uma mágoa é quase impossível de ser curada.

No final das contas assim como Räikkönen foi o culpado de tudo que eles não venceram em 2008/2009 (na visão da equipe, seus dirigentes, seus tifosi e da imprensa italiana, mas jamais para mim), Domenicalli também foi durante seu período de gerência pelos italianos. Assim é como a Ferrari funciona, ela sempre aponta o dedo para alguém, corta a cabeça de alguém, há sempre um bode expiatório. Foi assim com Kimi e também com Stefano. Acho que agora ele deve entender bem o que fez Räikkönen passar no final de 2009. Estamos quites!

Beijinhos, Ludy

“Não acredito nas notícias”

Cotado para ceder vaga, Button nega preocupação com rumores de contratação de Alonso: “Não acredito nas notícias”

Cotado para abrir lugar para Fernando Alonso na McLaren, Jenson Button não se mostrou preocupado com uma eventual substituição. Participando de um evento ao lado de Cristiano Ronaldo, o britânico disse não acreditar nos rumores e destacou seu respeito pelo piloto asturiano.

“Eu não acredito nas notícias”, disse o atual companheiro de Kevin Magnussen.

Questionado se teria algum problema em ser companheiro de equipe do bicampeão, Button respondeu: “Tenho um grande respeito por Alonso. Eu o conheço desde os tempos do kart e eu realmente gosto da forma como ele trabalha”. “Ele é muito rápido, completo e muito forte mentalmente”, concluiu.

Fonte: Grande Prêmio

Jenson não está uma situação fácil, realmente. Mas sendo diplomático como aprendeu a duras penas ser não iria sair por aí metendo a faca em ninguém.

By lu

1 de setembro de 2014

Max começando bem...


****

Pois é...

Acho que os sintomas da pressão "F1" começaram a aparecer sobre o menino...

E as críticas, ainda que em tom de brincadeira, também. Questionamentos, idem! O que aliás são tão prematuros quanto o fato dele entrar aos 17 anos na categoria...

Mas a F1 é isso... ele que se acostume rápido, porque neste lugar é assim que funciona. Se não der conta: rua!

Bjusss, Tati

R$ 70 milhões para voltar!

McLaren oferece contrato de R$ 70 milhões por ano a Alonso a partir de 2015, afirma jornal inglês

Ao que parece, Fernando Alonso se tornou a peça-chave do mercado de pilotos da F1 para 2015. O espanhol, embora tenha contrato com a Ferrari até o fim da próxima temporada, possui uma cláusula em seu acordo que pode liberá-lo bem antes disso.

De acordo com reportagem da ‘Auto Motor Und Sport’, o contrato do bicampeão possui um item relacionado à competitividade, que determina que, se o ferrarista estiver a 25 pontos ou mais do líder do campeonato até 1º de setembro, estará automaticamente livre dos compromissos com a equipe italiana e poderá, então, negociar com outros times. Hoje, 1ª de setembro, a diferença entre Alonso, o quarto colocado, e Nico Rosberg, o líder do Mundial, é de 99 pontos.

E quem aparece no topo da lista dos interessados nos serviços do asturiano é a McLaren. Segundo matéria do jornal inglês 'The Telegraph', a equipe de Woking no papel de seu chefe-mor, Ron Dennis, fez uma surpreendente oferta de US$ 32 milhões (aproximadamente RS$ 70 mi) por ano a Alonso.

A reportagem ainda afirmou que Dennis, apesar das rusgas vividas por ambos em 2007, entende que o espanhol é o melhor piloto para comandar a McLaren na nova fase do time, que compreende a parceria com a Honda, que vai fornecer os motores V6 aos ingleses. A imprensa britânica, na verdade, acredita que a fabricante japonesa, que volta à F1 em 2015, é a principal interessada em um acordo com Fernando.
  
Por sua vez, Marco Mattiacci, o chefe da Ferrari, declarou que tanto Alonso quanto Kimi Räikkönen vão permanecer no time vermelho também em 2015. A mídia italiana ainda garante que o espanhol já está negociando um novo contrato de cifras altas com Maranello. A proposta é de um acordo de três anos no valor de € 105 milhões (cerca de R$ 315 mi).


Alonso defende as cores de Maranello desde 2010. Foi duas vezes vice-campeão com os italianos e, nesta temporada, está longe de brigar por vitórias.
(fonte: Grande Prêmio)

***

Não, ainda não farei comentários. Se um dia... SE um dia isso se oficializar, eu comento... Não tenho vontade para tal!

A única pergunta que tenho é: por que querem Alonso?! Logo Alonso?! Ele não é um cara-problema?! Desagregador?!

Bjusss, Tati

Jenson Button e Cristiano Ronaldo #DontCrackUnderPressure

Nosso octete Jenson Button e o melhor jogador de futebol do mundo, Cristiano Ronaldo, o famoso CR7, participaram de um evento promovido pela Tag Heuer (patrocinadora da McLaren e do jogador do Real Madrid) na pista espanhola de Jarama, hoje.

Quem acompanha JB ou o CR7 pelo twitter, viu que na semana passada eles trocaram algumas mensagens que já nos indicavam que algo rolaria e hoje tivemos o resultado.

Abaixo, algumas fotos para vocês. E os vídeos vocês podem ver aqui.


Dedico este post para a amiga Priscilla Bar, mega torcedora do Cris, como ela mesma diz. ;) Saudades de você!!!!! ;)

Beijinhos, Ludy

CASIO Face Time - Vettel vs. Ricciardo - Italian Grand Prix

hahahahaha.... vamos rir né? Cara!!! Deve ser impossível conviver com Ricciardo e não rir!!! Estes vídeos são bobinhos, mas eu adooooorooooo!

Descobri recentemente, mas agora sempre que tiver, vou postar por aqui!

Se quiserem garantir as risadas, assistam! ;)



Beijinhos, Ludy

IndyCar - Favorite Driver Award: Juan Pablo Montoya

Nosso octete Juan Pablo Montoya não venceu o campeonato, mas levou um prêmio significativo, o de piloto favorito da galera. Carisma é isto aí!!! 

Parabéns para Montoya que esteve ontem com sua linda Connie na festa de premiação da IndyCar e recebeu seu prêmio.


 Beijinhos, Ludy

Kimi puts on a show in the F60

Oi gente!!! Vamos começar a semana com um carro de F1 que tinha som de carro de F1? rsrsrs

Assim que vi o vídeo abaixo foi a primeira coisa que pensei: "Que bom ouvir um carro de F1 com um som bacana". Aquele som que entra no peito sabe? Pois é...

E daí no final de vídeo o Iceman fala a mesma coisa!! Ou seja, até mesmo os pilotos sentem falta do barulho, ou como disse Kimi, nice sound!


Beijinhos, Ludy

31 de agosto de 2014

Viva a vilania!

Faz cara de malvadão para o povo, faz!
Nico Rosberg is becoming increasingly unpopular as the 2014 season rages on.

Eight years in Formula 1 and ninth year running for Nico Rosberg, and still, he remains a rookie driver. Yes, you read it correctly. Rosberg is still a rookie driver in Formula 1. He is only now learning the difficult task of leading a world championship.
After toiling at the back of the pack and gradually making his way to the midfield, he is finally serious championship threat. If he wins the title, it will be the only second father-son pair to win it, after the duo of Graham Hill and Damon Hill. Both Keke and Nico would of course want themselves to be a part of such a rare history.
Before 2014 season, Nico never managed to lead a championship. His best finish in the points was sixth, last year. In eight years, he has beaten his teammate six times over a season and that list included the legendary Michael Schumacher. He has always been touted by the fans, saying how he deserves the championship.
Suddenly, when he is finally getting the chance to possibly make those dreams become a reality, the general talk among fans is that he won because he was lucky or had some unfair help, while his closest rival and teammate Lewis Hamilton has been plagued with all the bad luck.

Rosberg-Hamilton debacle rings some similar bells

This saga reminds us of the Vettel-Webber situation, when Vettel was winning championship; it was Webber having all the bad luck. Vettel was pegged as the 'villain' in the case but in that deal, we had a clear number one and number two driver.
When Vettel burst onto the scene, not only did he become the youngest driver to score points but also the youngest to win a Grand Prix, and the world title of course. He was immediately called, as the next best German driver, after Schumacher. But all the excitement died down in the past couple of years, he became the bad guy.  Why? It was because he had the best car and fans were not amused by his domination. It was because he was winning races and titles. It was because Webber, Alonso, Hamilton and Button were having their share of bad luck while everything went right for Seb.

The tag shifts from Vettel to Rosberg

Though this year, Vettel is having a solid season all things considered. His dramas has caused some fans to become more sentimental towards him, which he used to get when he first arrived on the scene way back when. The tag has transferred to Rosberg and after the Belgian Grand Prix debacle; his reputation has hit a career low. Rosberg was always in the shadow of guys such as Hamilton, Vettel, and Alonso. Thus, the pressure on him is now huge as he has been launched into the spotlight. It's not helping that he has Hamilton against him, who arguably has one of the biggest fan-following in Formula 1.
Rosberg finds himself in an unusual and uncomfortable situation, where he's forced to juggle the championship battle and the growing distaste for him. In no time, he has gone from being the golden child with the nice smile to being the bad guy wearing the black hate. So far, he has handled the pressure well and has looked calm and composed in the face of the criticism. He has seven more races left to let his driving do the talking.
They say, "with power, comes responsibility," but in Formula 1, it's “with domination, comes hatred."


Source: Motorsport.com


 Vivi  para  ver Nico Rosberg - cara de playboy, almofadinha certinho e corretinho - virar o vilão da F1. Incrível! E toda a "maldade" que ele fez não foi nem a unha encravada do dedão de alguns que nunca nem cogitados para vilões foram.

Não vamos longe, o próprio oponente já pintou e já bordou no passado e hoje é o mocinho, inglesinho contra esse mundão de alemães todo. Eu heim... O mundo gira mesmo.

Mas se  é para ser vilão que seja um dos bons e dos bem maquiavélicos. Daqueles tão bons e inteligentes que nos fazem  admirar. Porque vilão burro ninguém aguenta.


Como se houvessem anjos, santos e Sandys na F1.

By Lu

Kimi Räikkönen - VKV Rotterdam City Racing

Eu falei ontem que era melhor ter mandado esta porcaria de F-60 para a sucata!!!! #euavisei

Nem para um evento este lixo de carro serve!!!!!


Beijinhos, Ludy

Scuderia Ferrari and Kimi star in Rotterdam

Rotterdam, 31 August –Scuderia Ferrari put on an exciting and spectacular show today, as part of VKV Rotterdam City Racing, the event which saw around half a million fans flock to the Dutch city, encouraged by the sunshine which chased away yesterday’s clouds. One of the supporters of the event was Scuderia sponsor Santander Bank. 

On hand for Scuderia Ferrari was Formula1 driver Kimi Raikkonen, who drove three laps of the four kilometre circuit which ran between the Willemsburg bridge and the Hofplein roundabout, at the wheel of a 2009 F60, the car in which he won that year’s Belgian Grand Prix. The Finn thrilled the Rotterdam crowd with scorching starts, tyre burn-outs and spectacular acceleration. 

Before and after his runs, Kimi met fans and enthusiasts of all ages, including lots of kids, chatting with them about this season and expectations for what lies ahead, while also signing dozens and dozens of autographs for racing fans from a country which used to host a Formula 1 Grand Prix up to 1985, when the Dutch Grand Prix was held for the last time at the Zandvoort circuit.

See more at: http://formula1.ferrari.com/news/scuderia-ferrari-kimi-star-rotterdam#sthash.7BC10bO7.dpuf

Mais um pouquinho sobre o evento de hoje lá na Holanda que eu já havia postado algumas fotos mais cedo.

Um monte de gente foi para as ruas de Roterdã ver o Iceman e parece que as crianças em especial ficaram empolgadíssimas. rsrsrs... #quebom Carinho de fã, ainda mais das crianças, é sempre bacana.

Para verem mais fotos do evento de hoje, cliquem aqui.

Beijinhos, Ludy

A temporada de Montoya na IndyCar 2014

Quarto em Fontana, Montoya fala de temporada acima de expectativas pessoais: “Esperava um ou outro pódio”

Juan Pablo Montoya teve uma grande temporada de retorno à Indy. O colombiano terminou o campeonato com a quarta colocação na classificação geral, além de uma pole e uma vitória, conquistada em Pocono

Juan Pablo Montoya foi uma das grandes surpresas da temporada. Apesar de ter um nome consagrado no automobilismo mundial, o colombiano estava afastado dos monopostos desde 2006. Mesmo assim, Montoya garantiu a quarta colocação na classificação final do campeonato, após ter terminado em quarto o GP de Fontana deste sábado (30).

O ex-piloto de F1 revelou que a temporada superou muito as suas expectativas iniciais, que tinham como meta a ida ao pódio.

“Este ano eu nem pensava em brigar pelo campeonato, um ou outro pódio já estaria de muito bom tamanho. Mas conseguimos uma pole, uma vitória - em Pocono -, fiquei muito feliz. Hoje, nós temos um carro para vencer”, disse.

Montoya explicou que os resultados foram importantes para a equipe, agradeceu a oportunidade dada por Roger Penske e garantiu que se cobra atrás de resultados ainda melhores no ano que vem.

“Foi uma conquista importante para a equipe, também para o Will. Ter participado disto foi bem legal. Estou muito feliz com a oportunidade que Roger me deu, eu sempre me cobro muito, sempre treino muito, então espero por bons resultados. É bom ficar entre os primeiros do ano”, declarou.

Por fim, o colombiano elogiou o carro que foi utilizado durante o ano e traçou como meta para 2015 ter um rendimento melhor nos circuitos de rua e mistos. 

“Nosso carro é muito bom. O carro foi espetacular em ovais, consegui andar na frente. Nem tanto nos circuitos de rua e mistos, acho que preciso melhorar um pouco para o próximo ano. Agora é me preparar bem para ter uma grande temporada ano que vem”, concluiu. 

Montoya terminou o campeonato com 586 pontos, apenas 23 pontos atrás de Helio Castroneves, vice-campeão, e com 85 a menos que Will Power, campeão da temporada 2014. 

Fonte: Grande Prêmio

Eu sinceramente acho que Montoya fez um ótimo campeonato e estou orgulhosa dele ter ficado em quarto lugar na classificação final porque depois de 8 anos fora dos monopostos, voltar e se adaptar tão facilmente só prova que ele é talentoso. Mas nós aqui já sabíamos disto, obviamente!

Eu confesso que não esperava que ele vencesse este ano, achei que seria mais complicado, estava na expectativa de pódios, mas ele fez tudo, venceu, fez pole e conquistou pódios. Resultado final, ficou entre os quatro melhores do ano e merecidamente.

Que em 2015 ele possa entrar diretamente na briga pelo título, já que neste ano ele viu seu companheiro de equipe, o australiano Will Power, sagrar-se campeão. 

Parabéns pela seu desempenho na IndyCar, Montoya!!! Estamos orgulhosas de nosso octete!!!! 

fonte: Juan Pablo Montoya (Facebook)
Beijinhos, Ludy

Indy - 500 Milhas de Fontana - Corrida

Em uma noite de sábado agitada nas 500 Milhas de Fontana, o australiano Will Power (companheiro de nosso Montoyucho) venceu o campeonato de 2014 da IndyCar.

A vitória da prova disputada ontem em Fontana ficou com o brasileiro Tony Kanaan, seguido por Scott Dixon, Ed Carpentier e nosso octete Juan Pablo Montoya fechando o top 4.

Aliás, Juan Pablo fez uma ótima corrida e liderou um boa parte da mesma. No final ele terminou na quarta posição na corrida e também na classificação geral do campeonato, o que eu sinceramente acho que foi um ótimo resultado depois de tanto tempo fora dos monopostos.

Para saberem como tudo aconteceu nas 500 Milhas de Fontana, que poderia ter dado a Helio Castroneves o título, cliquem aqui.


fonte: Grande Prêmio

Beijinhos, Ludy

Kimi Räikkönen - Rotterdam City Racing

Algumas fotos do evento de hoje, na cidade holandesa de Roterdã, onde Kimi está participando do Rotterdam City Racing.

Nem preciso falar nada sobre a primeira foto né? Olha como ele presta atenção no que a pequena está falando para ele!!! #amoooo O Iceman é sempre querido com as crianças, ele gosta delas, e agora então... rsrsrs... #achofofo


As fotos vem do @InsideFerrari. Coisa a mais linda a Ferrari California T azul!!!! #amodepaixão

E também do ≈ Kimi, semplicemente Iceman ≈ no Facebook.

Beijinhos, Ludy

30 de agosto de 2014

Coluna "O que elas pensam?" by Ludy


"Like home..." by Ludy Coimbra 

E o Mundial 2014 se encaminha para sua parte final. Em questão de três meses saberemos quem será o novo campeão mundial de F1. Um dos dois pilotos da Mercedes levará o caneco para casa. Salve uma grande catástrofe. 

Mas a pergunta que eu gostaria de fazer é: O que te motiva a acompanhar a F1 atual caso você não seja torcedor de um dos pilotos que disputam o título, as vitórias e as poles? 

Quem é o piloto que te enche os olhos? Qual é a equipe que mais te encanta? Qual é o circuito que você mais curte? Resumindo, o que te motiva a continuar a assistir a F1, uma categoria que nos últimos anos mudou bastante e tem dividido opiniões de seus torcedores. 

Eu sinceramente acho que a tecnologia poderia perder um pouquinho de espaço, é muito botão. Rsrsrs... Não gosto das soluções deste ano como a mudança dos motores V8 para os V6 (horrível o som, ou melhor, a ausência de barulho, ao vivo é simplesmente broxante). Não gosto do sistema de classificação com estas divisões de Q1, Q2 e Q3, sou da época em que os pilotos treinavam para fazer realmente a melhor volta, todo mundo na pista de uma só vez, usando a quantidade de pneus que fosse possível e pronto. 

Sinceramente, não sei o que a F1 vai fazer para se reinventar. Não é fácil tal tarefa, eu sei. Também sei que tudo o que eles fazem é com o intuito de buscar uma melhoria, uma evolução, estar politicamente correto com o meio-ambiente e tal, mas acho que além da pista (e há pilotos insatisfeitos como Hamilton, que acha que os carros atuais são lentos e menos desafiadores. E olha que o inglês está na disputa do título hein?), a categoria precisa se reinventar com sua audiência. Por isto, a notícia de que em breve a FOM usará a internet como plataforma de comunicação com seus torcedores é ótima. Já passou da hora da F1 usar o poder da era digital. 

Mas ainda assim, mesmo com algumas coisas que não se encaixam no que eu gostaria para a F1, ainda que muitas vezes eu tenha simplesmente vontade de não acordar para mais uma vez ver Räikkönen amargar um mau resultado, eu continuo lá, assistindo, acompanhando, vibrando, xingando, me alegrando ou sofrendo. E por quê? 

Primeiramente, porque tenho Kimi, porque torcer por ele faz parte de mim, é algo que simplesmente não consigo deixar de fazer, mesmo quando eu estava chateada com o desempenho dele no começo da temporada. Mas tudo mudou depois de Silverstone 2014. 

Porque acordar aos domingos de manhã para assistir a uma corrida faz parte da minha rotina há mais de 20 anos, porque adoro conversar sobre automobilismo com meus amigos, porque adoro aquela sensação de chegar ao trabalho depois de um domingo de corrida e me perguntarem: “e aí Ludy, viu a corrida?” e especialmente, porque amo o ambiente do autódromo quando vou às corridas. 

Sabe aquela sensação de se sentir em casa? É exatamente assim toda vez que piso em Interlagos e o sentimento foi o mesmo quando estive no GP da Inglaterra este ano. Ou seja, estar em um autódromo, não importa em que lugar do mundo me dá a sensação de estar em casa, e como diria Dorothy, do Mágico de Oz: “There is no place like home.”

Beijinhos, Ludy

Castigado

Lembram do Toto Wolf esbravejando no domingo passado que Nico seria punido  pela equipe? Aí está...


Arte by Im a die hard F1 Fan


Bart Simpson mandou pedir o quadro negro de volta



By Lu

 

Kimi and Scuderia Ferrari head for Rotterdam


Maranello, 29 August – Scuderia Ferrari is heading for the Netherlands where again this year it will take part in VKV Rotterdam City Racing, and on Sunday, the city on the banks of the New Meuse river will come alive to the sound of racing engines.

Representing the Maranello team will be Kimi Raikkonen, who will drive a course that cuts through the city centre, from the Willemsburg Bridge to the Hofplein roundabout. The link to Scuderia Ferrari comes in the shape of the Santander Bank, a sponsor of the event itself and the Formula 1 team. 

After a Street Demo in South Africa at the start of the year and Russia’s Moscow City Racing, this event in Rotterdam provides Scuderia Ferrari with another opportunity to bring Formula 1 to the people in a country that does not host a Formula 1 Grand Prix. There has not been a Dutch GP since 1985 and last year, the Rotterdam event drew a crowd of half a million. 

Raikkonen will drive a 2009 F60, chassis number 276, with which the Finn had started that Formula 1 season. After the Drivers’ Parade at 14h00, Kimi will be on track from 14.20 to 14.35 and then again from 15.45 to 16.00. You can follow the event on Scuderia Ferrari’s Twitter page, where you can also post comments and photos of the action using the hashtag #FerrariRCR14.

See more at: http://formula1.ferrari.com/news/kimi-scuderia-ferrari-head-rotterdam#sthash.6j4FUYsq.dpuf

Evento do title sponsor da Ferrari (Santander) leva o Iceman para Roterdã, na Holanda, amanhã, onde ele vai pilotar o F60. Xiiiiiii... vai quebrar!!! rsrsrs...

Esta porcaria de carro ainda existe? Deveriam ter mandado para a sucata! kkkkk

Beijinhos, Ludy

29 de agosto de 2014

Liberado em 2015?!

Cláusula em contrato pode livrar Alonso de acordo com Ferrari já em 2015, revela revista alemã

 A McLaren já não faz mais segredo de que deseja um piloto do primeiro escalão em pelo menos um seus carros no ano que vem, especialmente diante da reedição da parceria com a Honda, que, a partir de 2015, vai passar a fornecer motor para o time inglês. Entende-se que a fabricante japonesa esteja por atrás das ambições da equipe de Woking, porque vai investir alto também como patrocinadora da esquadra britânica.

Especulações na imprensa inglesa apontam o nome de Fernando Alonso como favorito para liderar a McLaren na nova fase, mas estrelas como Sebastian Vettel e Lewis Hamilton não estão descartadas. Ainda segundo os jornalistas britânicos, a equipe chefiada por Ron Dennis vai esperar até ter uma definição sobre Alonso para, enfim, tomar uma decisão sobre a próxima dupla de pilotos.
Só que os três, a princípio, estão ainda sob contrato com suas equipes até o fim da próxima temporada. O cenário, entretanto, deve mudar em 2016, quando os acordos se encerram. Porém, uma reviravolta também pode acontecer no caminho. Pelo menos é que afirma a revista alemã ‘Auto Motor Und Sport’.

De acordo com a publicação, há uma brecha no contrato de Alonso com a Ferrari que libera o piloto antes do fim do acordo. A cláusula determina que, se o bicampeão estiver a 25 pontos ou mais do líder do campeonato até 1º de setembro, estará automaticamente livre dos compromissos com a equipe italiana e poderá, então, negociar com outros times.

No momento, Alonso ocupa a quarta posição no Mundial de Pilotos e está a 99 pontos de Nico Rosberg, que comanda a tabela de classificação. Portanto, o espanhol pode vir a se tornar a peça-chave desse tabuleiro.
  
 Em entrevista ao site da F1, Dennis deixou claro que o time inglês procura "os melhores pilotos", mas admitiu que eles precisam estar disponíveis também. O dirigente não negou que a esquadra esteja atrás de campeões.


Por sua vez, Marco Mattiacci, o chefe da Ferrari, declarou que tanto Alonso quanto Kimi Räikkönen vão permanecer no time vermelho também em 2015. A mídia italiana ainda garante que o espanhol já está negociando um novo contrato de cifras altas com Maranello. A proposta é de um acordo de três anos no valor de € 105 milhões (cerca de R$ 315 mi).
(fonte: Grande Prêmio)

***

Ainda sem comentários... li umas coisas aí, mas nada a comentar ainda... nada!

Bjuss, Tati

Nico fala em erro de julgamento

"In the days since the Belgian Grand Prix in Spa, I have spent a lot of time thinking about what happened during the race and discussing it with the team.
I have already expressed my regret about the incident but, after meeting with Toto, Paddy and Lewis today, I wish to go a step further and describe it as an error of judgement on my part.
The number one rule for us as team-mates is that we must not collide but that is exactly what happened.
For that error of judgement, I apologise to Lewis and the team. I also want to say sorry to the fans who were deprived of our battle for the lead in Belgium.
Lewis and I have been given clear instructions about how we race each other.
As drivers, we have a clear responsibility to the team, the fans of the sport, our partners and Mercedes-Benz to deliver clean racing. We take that responsibility very seriously.
I look forward to concluding the season with hard, fair competition on and off track right up to the final lap of the season in Abu Dhabi."

Nico acabou de postar essa nota em que diz ter pensado muito após a corrida da Bélgica e que após reuniões com Lewis, Paddy e Toto ele chegou a conclusão de que ele errou no julgamento (aqui eu entendo que ele quis dizer que errou no julgamento em que teria espaço ali para passar, que daria certo, mas que não deu. Entretanto, cabem, claro, mais interpretações). 

O piloto também pede desculpas pelo incidente para Lewis, para o time e para os fãs do esporte que não gostaram da batalha pela vitória na Bélgica. Também, diz que ele e Lewis receberam instruções claras de como competir e que haverá luta justa e dura até a última volta em Abu Dhabi.  

Quero ver agora o que diz Lewis. Se Nico assumiu culpa, Lewis também deve pelo escarcéu que fez.  Vamos aguardar se sai algo...

Nico foi bem humilde (mais do que devia em um acidente de corrida na minha opinião) e tomou a responsabilidade para si. Quero ver no que isso implica no decorrer do campeonato e como a equipe irá lidar. Ele ainda é líder e tem a maior possibilidade de conquistar o título.

Outro ponto que aproveito para comentar é a questão contratual. Lewis e Mercedes deixaram para ver contrato só no final do ano e Nico anunciou há menos de mês um contrato "longo" com a equipe. Isso também influi e é carta na mão no jogo da influência.
  
By Lu