19 de novembro de 2016

Massa sobre Kimi...

Perto do adeus à F1, Massa lembra parceria “dolorosa” com Räikkönen e brinca: “Não é realmente interessado em conversar”

Às vésperas de sua última corrida na F1, Felipe Massa lembrou que teve uma parceria “dolorosa” com Kimi Räikkönen, já que o finlandês não é dos mais falantes. Brasileiro afirmou que Michael Schumacher foi o companheiro de equipe com quem teve uma relação mais próxima

Depois de uma emocionante despedida em Interlagos, Felipe Massa segue para Abu Dhabi para sua prova final na F1. Às vésperas do adeus, o brasileiro repassou a carreira em uma entrevista ao site oficial da categoria e falou sobre a relação com seus companheiros de equipe.

Parceiro de Kimi Räikkönen entre 2007 e 2009, Massa afirmou que teve uma relação “dolorosa” com o finlandês, já que o piloto da Ferrari não é dos mais falantes. Brasileiro lembrou, entretanto, que o #7 fala sem parar quando está “em uma condição diferente”.

“Para ser sincero, trabalhar com Kimi era às vezes um pouco doloroso, porque ele não é realmente interessado em conversar!”, riu Massa. “Às vezes, um simples ‘Olá’ ou ‘Bom dia’ já é demais para ele”, contou. 

“Mas encontre com ele em uma condição diferente e ele é completamente diferente: ele não para de falar e é muito divertido”, entregou. 

Massa afirmou que é bastante diferente de Räikkönen, mas o fato de o finlandês ser um piloto leal é o que os unia. 

“Tenho de dizer que ele e eu, nós somos completamente diferentes em relação a quase todo, mas ele é muito justo — e essa era a cola que nos mantinha juntos. Um pouco como é com Valtteri [Bottas] — embora tenha de dizer que Valtteri fala um pouco mais do que Kimi!”, comentou. “Mas é a mesma mentalidade. E, de novo, é sobre justiça e respeito”, continuou. 

Questionado se sempre teve uma boa relação com seus companheiros de equipe, Felipe respondeu: “Em um nível pessoal, sim. Mas, claro, tem também o nível profissional — a competição. Às vezes você não está feliz, porque está atrás. E você, claro, tenta se sair melhor e aí a rivalidade — na minha carreira sempre foi saudável — começa a aparecer”. 

Por fim, ao falar sobre o companheiro de equipe com quem teve uma relação mais próxima, Massa não titubeou na hora de apontar Michael Schumacher, com quem formou dupla em 2006. 

“Michael. De muitas formas, ele foi o meu mestre”, resumiu. “Claro, eu também queria estar na frente dele, mas sempre olhei para ele como meu ídolo — algo como: ‘Nossa, quero ser como você!’. Ele provavelmente estava olhando para mim como o carinha que ele queria ajudar. Foi uma relação muito diferente de todos os meus outros companheiros de equipe. Talvez por isso eu tenha decidido anunciar minha aposentadoria em Monza, já que tem uma história atrelada a isso”, contou. 

“Kimi já tinha assinado contrato com a Ferrari dois anos antes de ele efetivamente guiar por eles — então a única forma de eu seguir na Ferrari era com a aposentadoria de Michael. E ele fez isso — em Monza em 2006”, recordou. “Ele provavelmente estava um pouco cansado — e talvez também estivesse pensando: ‘Felipe está fazendo um bom trabalho, então dê a ele a chance de ficar’. Eu não sei, mas foi por isso que também fiz em Monza 2016 — dez anos depois”, revelou. 

Na mesma entrevista, Massa revelou que espera acordar com uma sensação de alívio na segunda-feira depois da corrida em Yas Marina.

Fonte: Grande Prêmio

Como me incomoda as pessoas tratarem o fato de Kimi ser calado no ambiente de trabalho como algo estranho. "Doloroso" ?! Ninguém é obrigado a ser extrovertido e falastrão em todos os lugares não sabia? 

E não eu nunca precisei que Felipe dissesse o quanto Räikkönen é um piloto justo (sempre soube disto), mas é bom para os haters lerem isto. Aliás, ele é assim dentro e fora das pistas.

Beijinhos, Ludy

Nenhum comentário: