7 de julho de 2016

Coluna "O que elas pensam?" by Ludy


“Kimi, a mídia e a minha torcida...” by Ludy 

De tempos em tempos, nós que somos torcedores (seja do esporte que for), passamos por momentos de desânimo, decepção, descrença. E aí, do nada, como uma fênix ressurgindo das cinzas sentimos que aquela força que temos para defender o esporte, time e/ou atleta que torcemos continua lá, intacta. 

Foi assim que eu me senti ontem, ao ler mais das infindáveis críticas peçonhentas da imprensa italiana a Kimi Räikkönen, e depois, ao me deparar esta pesquisa aqui

Eu não gosto de perguntas que classifiquem pilotos de Fórmula 1 por baixo. Acho injusto. Escolher aquele que considera o melhor, tudo bem, mas dizer quem é o mais fraco? Não vejo nenhum ponto positivo na discussão. Todo mundo que conquista um título merece respeito, pois se destacou e chegou lá por uma razão. Podemos muitas vezes não gostar, mas isto não pode tirar o mérito de quem saiu vencedor. Mas enfim, cada um fala sobre o que quiser. 

Minha intenção com o texto de hoje é discutir a forma como a mídia em geral trata Kimi Räikkönen. Vamos aos denominadores comuns? Piloto sem motivação, que venceu título só por causa de Felipe Massa, que ganhou em 2007 só porque Alonso e Hamilton brigaram, que só venceu na Ferrari porque o carro era a sobra de Schumacher, que não sabe lidar com a imprensa, que é frio, que não sorri, que não é um piloto à altura da Ferrari, que só correu bem na época da McLaren, e por aí vai. 

Repararam em alguma crítica baseada na pilotagem dele? Não? Pois é... Estes e outros comentários, muitas vezes nem dignos de serem publicados (especialmente vindo da Itália), são os “argumentos” de grande parte da imprensa mundial para falar sobre Kimi. 

Todo mundo que cobre a Fórmula 1 há pelos menos 15 anos, que é o tempo em que o finlandês está no automobilismo de ponta (13 na F1 e 2 no WRC), já deveria ter uma ideia de como funciona a mente e o jeito do Iceman. Melhor ainda, já deveriam saber que tipo de piloto ele é, porque é para isto que a imprensa especializada está lá, para falar das qualidades e defeitos dele como piloto. 

O que obviamente não acontece com a maioria da mídia, que em 99% dos casos, começa com argumentos falando sobre a personalidade do finlandês para criticá-lo como piloto. Nunca é somente o que deveria ser, ou seja, o resultado, o desempenho. É algo digo de ser observado. E para quem é torcedora como eu, irritante.

E aí, depois de 11 anos seguindo a carreira de Räikkönen, quando você pensa que está preparada para todo o tipo de situação vinda da imprensa, resolvem dizer que ele, dos cinco campeões mundiais, é o mais fraco. 

Eu não teria problemas com isto se os argumentos usados tivessem sido realmente argumentos, e não a mesma ladainha de sempre. Eu entendo perfeitamente que há quem não goste de Kimi, e respeito o fato. O que eu não aceito é o descreverem como um piloto acabado e fazendo hora extra na F1, ou vencedor de mundial por conta de ajuda alheia, ou porque não é sorridente, ou simpático, ou não merecedor de correr por determinado time, porque nada disto pode ser usado como base quando se trata de definir as qualidades ou fraquezas de um atleta. 

O que eu quero que as pessoas entendam de uma vez por todas é o seguinte: Kimi pode não ser o melhor para muitos, mas é definitivamente o melhor para mim, para os torcedores dele, para quem há anos o acompanha e sabe o sacrifício que foi suportar tantas derrotas dolorosas ao longo dos anos de McLaren. Aliás, perdemos muito mais do que vencemos. O sacrifício que foi chegar naquele título de 2007, enfrentar as angústias de 2008, sua equipe contra você em 2009, tentar se adaptar a uma categoria totalmente diferente, depois recomeçar na F1, vencer, e ainda assim, ser sempre julgado, questionado, criticado. Não importando o que você faça. 

Para quem torce pelo Iceman, nunca haverá paz. Sempre haverá um mas, sempre haverá alguém querendo minar o que nós sabemos é comprovado, o talento de Kimi nas pistas. Algo que temos vivenciado desde que ele surgiu na categoria, sob o olhar de julgamento de muitos, e já de cara, provando o quão capaz ele era. O quão capaz ele ainda é. 

Não, eu não sou cega, e não acho que ele seja perfeito. E se você que segue o Octeto prestou atenção em como eu lido com a minha opinião com relação ao Iceman, vai saber que sim, eu o critico, eu tenho momentos de decepção e revolta com ele também, mas eu jamais vou deixar de acreditar naquilo que me fez torcer por Räikkönen desde o começo, o talento dele em ser excelente no que ele faz dentro das pistas. Porque é isto que importa no final. 

********

E se quiserem ler um algo bacana falando sobre esta questão do julgamento de Kimi Räikkönen como piloto, deixo o link do texto de Gabriel Pandini. Vocês não vão se arrepender!

Beijinhos, Ludy

2 comentários:

Julia Souza disse...

É assim mesmo quando um piloto não cai nas graças da mídia,eles fazem de tudo para diminuir a carreira desse piloto.

Octeto Racing Team disse...

Ao anônimo que comentou, por favor, comente novamente, e assine. Não aceitamos comentários anônimos. 👍

Ludy 😉