27 de julho de 2016

Ansiedade alemã

Pilotos da casa, Vettel e Hülkenberg falam de ansiedade e pressão às vésperas do retorno do GP da Alemanha à F1

Por problemas financeiros, Nürburgring não teve condições de realizar o GP da Alemanha no ano passado. Em 2016, a prova retorna ao calendário do Mundial de F1 tendo como palco o tradicional circuito de Hockenheim, para festa de Nico Hülkenberg e Sebastian Vettel. O tetracampeão terá a chance de repetir seu ídolo Michael Schumacher e acelerar pela primeira vez com a Ferrari diante dos seus fãs

O GP da Alemanha está de volta à F1. A prova que acontece neste fim de semana no tradicional circuito de Hockenheim encerra uma espera de pouco mais de dois anos. Em 2015, em virtude de problemas financeiros e falta de acordo com Nürburgring, o Mundial não realizou a prova no país que é a casa da Mercedes e também de Sebastian Vettel, Nico Rosberg, Nico Hülkenberg e Pascal Wehrlein. Agora, a espera acabou e só há motivos de comemoração para os alemães.

Vettel já venceu o GP da Alemanha uma vez, em Nürburgring, em 2013. O alemão vai ter a chance de acelerar em Hockenheim pela primeira vez guiando uma Ferrari, repetindo seu ídolo maior no esporte e lenda do automobilismo, Michael Schumacher. O tetracampeão não escondeu a ansiedade por voltar a correr em casa.

“É ótimo voltar depois do ano passado, quando não tivemos o GP da Alemanha. É genial estar na Alemanha e poder correr aqui. Sendo alemão, acho que é um privilégio poder competir em casa diante da sua torcida, de modo que definitivamente estou muito ansioso. É a primeira vez para mim aqui com uma Ferrari, de modo que certamente será algo especial”, declarou.

“Já pilotei muito aqui, conheço muito bem o circuito ao competir em categorias de base e, no geral, sempre fui muito competitivo. Acho que a pista tem uma boa mescla de curvas, e isso é tudo o que um piloto pode pedir. É uma pista muito técnica porque você tem muitas curvas de velocidades distintas, mas definitivamente diria que é um lugar bem divertido”, disse Vettel.

Hockenheimring recebeu a F1 pela primeira vez em 1970. À época, era um traçado desafiador e de altíssima velocidade, com extensão perto dos 7 km. Uma ampla reforma realizada visando a corrida a partir de 2002 reduziu bem o traçado, que deixou de cortar a Floresta Negra e passou a ter 4.574 m de extensão.

Piloto da Force India, Hülkenberg vibrou por ter a chance de correr novamente diante dos seus fãs, mas falou sobre a pressão que é disputar uma prova em casa.

“Fazer sua corrida em casa é sempre o momento especial do ano. Guiei em Hockenheim muitas vezes na minha carreira, na F3, na F-BMW e sempre adoro voltar aqui. É uma parte do país que eu gosto demais, vivi perto daqui há alguns anos. Correr em casa é uma ocasião especial, mas é importante manter o foco mental correto e fazer com que seja como qualquer outra corrida. Tento que isso não me afete enquanto esteja pilotando, ainda que tenha um pouco de pressão da imprensa e dos fãs, já que todos querem que os pilotos locais vão bem”, comentou o piloto nascido em Emmerich, 12º no Mundial em 2016. 

“As expectativas são sempre altas. Não tivemos corrida no ano passado, de modo que os alemães estão muito emocionados por ver que a F1 está de volta. Ainda que esteja concentrado na pista, estou ansioso para as férias de verão. É uma temporada muito intensa, de modo que é bom saber que você está perto de sair de férias, tomara fazendo algo bacana e que você vai ter algumas semanas para recarregar as baterias”, finalizou Nico.

Fonte: Grande Prêmio

Correr em casa é um privilégio que pouquíssimos pilotos na F1 têm. Vencer então é um clube mais seleto ainda.

Beijinhos, Ludy

Nenhum comentário: