19 de julho de 2016

Amizade e disputa não andam de mãos dadas

Nico e Lewis - Nunca tinha visto essa foto, mas estava em matéria da BBC
Rosberg admite nervosismo ao brigar por título e relação tensa com Hamilton: “Não somos melhores amigos”
Nico Rosberg vive uma época crucial de sua carreira. Já no terceiro ano de dominância da Mercedes, o alemão ainda não conseguiu o tão aguardado título mundial. O começo de ano apontava para uma vantagem do alemão em relação ao rival Lewis Hamilton, mas o jogo virou: após o GP da Áustria, a vantagem caiu para apenas um ponto.

Vivendo a intensidade de uma disputa de título, Nico reconhece que os sentimentos sempre acabam aflorando. Entre altos e baixos, o #6 tenta se manter na linha.

“Sou tão humano quanto qualquer um. As pessoas costumam esquecer isso enquanto ficam vendo carros rápidos na TV. Eu também fico nervoso, vejo o copo meio vazio e duvido de mim mesmo nos momentos mais difíceis. Como ano passado em Austin, quando perdi o título”, explicou Rosberg, falando ao jornal britânico ‘The Guardian’.

 Mesmo assim, com os reveses que marcaram as últimas provas, Rosberg descarta estar perdendo a cabeça. O foco é o mesmo de sempre, diz.

“Levou um tempo para eu superar a Áustria, por conta das discussões que se arrastaram. Se eu estivesse focado em pontos, estaria muito desapontado, já que perdi mais de 40 pontos de vantagem e agora só tenho 1. Mas não foco nisso, então não me afeta”, seguiu.

Hamilton, depois de um começo de ano irreconhecível, começa a dar o ar da graça. A performance no GP da Inglaterra serviu para mostrar que o #44 está tão em alta como estava antes. Rosberg vê pontos positivos e negativos na relação com um dos pilotos mais fortes do grid. No meio de tudo isso, uma coisa fica clara: o respeito existe, mas a amizade não é mais aquilo que já foi.

“Lewis é um dos melhores oponentes. Ele é um desses que você te dá muita satisfação em superar, já que ele é campeão do mundo. Eu tenho muito respeito por ele mas, bem, no momento não somos melhores amigos. Essa é a dificuldade, somos tão competitivos que chega a ser difícil manter a amizade, a competitividade é extrema. Já era assim antes. Quantas pizzas conseguimos comer? Quem consegue correr mais rápido do elevador até o quarto do hotel? Era assim toda hora, mas não havia efeito sobre a equipe e a imprensa. Isso dificulta tudo”, recordou.

A declaração de Rosberg vem semanas após Hamilton falar sobre o respeito mútuo entre os dois. O britânico disse que a relação melhorou muito, relatando até visitas e conversas. Nico não chega a falar em inimizade, mas avisa que é difícil lidar com o colega.

“Se estivéssemos em 12º e 13º não seria o mesmo. Brigar por título é incrivelmente intenso, a curva de aprendizado é íngreme. Aprendi muito, consegui muito progresso. A pilotagem em si não muda muito, mas é uma situação tão difícil... Vocês estão pilotando juntos e, ao mesmo tempo, um contra o outro. É um desafio único. É muito difícil achar o ponto certo. Tenho um compromisso com a equipe e é importante que eles vençam o Campeonato de Construtores, mas onde entra o meu ego e os meus desejos? Sempre é difícil”, ponderou.

A dupla aproveita os últimos dias antes de viajar para a Hungria, que recebe a F1 no próximo domingo (24).

Fonte: Grande Prêmio

Nico está sentido pela amizade "perdida". Ele expos muito sentimento nessa entrevista. Muito. Tudo é aprendizado, meu povo. Ganhar ou perder não é errado e nem certo. É aprendizado e acredito firmemente que é disso que a vida se trata. Quero muito ver Nico campeão assim como quem torce pelo Lewis quer ver o seu piloto na frente. Mas não é só isso que importa.

Muito orgulho de torcer pelo Nico. Gosto da personalidade e entrevistas como essa só comprovam que ele é um modelo que vale a pena a ser seguido .

By Lu

Nenhum comentário: