8 de abril de 2016

Mais potência

Satisfeita com confiabilidade, Honda direciona foco para melhorar potência do motor: “Não é muito boa, ainda é razoável”
  
Passada uma temporada de árduo aprendizado, muitas quebras e problemas, a Honda se mostra um pouco mais satisfeita com o nível alcançado pelos seus motores em termos de confiabilidade. Ainda que a McLaren tenha sofrido com a quebra da unidade de potência de Jenson Button no GP do Bahrein, o novo propulsor parece de fato ser mais resistente, tanto que terminou o GP da Austrália, com o próprio Button, enquanto Stoffel Vandoorne cruzou a linha de chegada em décimo lugar em Sakhir, garantindo o primeiro ponto do time em 2016.

Agora, o principal foco da Honda vai ser garantir velocidade final maior à sua unidade de potência. No momento, a fabricante japonesa briga com a Renault, mas ainda está atrás de Ferrari e Mercedes em termos de performance global, de modo que esse vai ser o trabalho daqui em diante, garante Yusuke Hasegawa, diretor da Honda para a F1.

 “É muito difícil dizer, mas focamos primeiro na confiabilidade, e acho que melhoramos nesta área, ainda que tivéssemos enfrentado problemas [no Bahrein]”, comentou o engenheiro japonês.

“Agora vamos nos concentrar na performance do motor de combustão interna, na potência, já que sabemos que a atual potencial não é suficiente boa para conseguir chegar ao Q3. De modo que isso é o que eu posso dizer. Acho que a performance atual é razoável”, avaliou. “Acho que está quase como a gente esperava. A posição atual é o que a gente pensava. Não é muito boa, mas acho que é razoável”, disse.

Ainda são 14 as fichas de desenvolvimento disponíveis para a Honda melhorar o rendimento do seu motor. Hasegawa confirmou que tudo vai ser destinado a melhorar a performance da unidade de potência, deixando a busca pela confiabilidade em segundo plano.

“A potência do motor e a combustão do motor, nós temos de melhorar isso. Entretanto, há falta de velocidade final na reta, de modo que se trata de um conjunto como um todo”, explicou.


“Supomos que devemos utilizar as fichas para a potência do motor e também bem como a implantação [de peças]. Está aberto. Para a confiabilidade, não precisamos usar os tokens. Claro que temos de fazer mudanças para buscar performance. Uma vez que tenhamos maior potência, poderemos mudar outras áreas para confirmar a confiabilidade. Acho que a potência sempre vem com a confiabilidade, é necessária”, finalizou o engenheiro.
(fonte: Grande Prêmio)

***

"A potência do motor e a combustão do motor, nós temos de melhorar isso. Entretanto, há falta de velocidade final na reta, de modo que se trata de um conjunto como um todo” = POSSO CHORAR???????

Bjuss, Tati

2 comentários:

Julia Souza disse...

Kkkkk pelo menos tá melhorando,o piloto que substitui Fernando foi 10 do Bahrein,tenho certeza que se fosse Button ou Alonso tinha sido melhor.

Octeto Racing Team disse...

Tomara Julia!!!!!!!

Bjuss, Tati