23 de março de 2016

GPDA critica F1

Associação dos Pilotos critica F1 “obsoleta” e clama por “reestruturação de governança” após fiasco na Austrália

A Associação de Pilotos da F1, a GPDA, tocou nas feridas da categoria. O grupo, através de uma carta, reclamou do corpo governante da categoria, tido como “obsoleto”

O GP da Austrália, marcado pelo fiasco do novo treino classificatório, serviu para atiçar a Associação de Pilotos da F1, a GPDA. Através de carta divulgada nesta quarta-feira (23), a entidade reclamou do corpo governante da categoria, visto como “obsoleto”. E apontou: se algo não mudar, o certame não vai conseguir conquistar novos fãs, parando de crescer.

“Os pilotos concluíram que o processo de tomada de decisões do esporte é obsoleto, evitando que progresso seja alcançado. Isso reflete negativamente, evitando que seja adequado para a próxima geração de fãs e comprometendo o crescimento global”, apontou a carta.

As críticas vêm após um GP da Austrália muito movimentado nos bastidores. Poucas horas após a realização do treino classificatório no formato ‘dança das cadeiras’, dirigentes da F1 se reuniram e descartaram a novidade sem pensar duas vezes. Comportamento semelhante foi visto algumas semanas antes, quando a FIA anunciou a introdução da nova classificação, sem debater muito sobre. Nos dois casos, pilotos não foram consultados.

Mas, para a GPDA, isso não é nem o mais grave. A organização reclama mesmo é da falta de planejamento do corpo governante, que muda regulamentos com facilidade ímpar.

“Gostaríamos de pedir e clamar que donos e acionistas da F1 considerem uma reestruturação de sua própria governança. As direções e decisões futuras da F1, sejam elas ao curto ou longo prazo, esportivas ou técnicas, devem ser baseadas em um grande planejamento. Tal planejamento deve refletir os princípios e valores da F1”, seguiu a carta.

Apesar das críticas, a GPDA também deixa clara sua boa intenção. Os pilotos que assinam a carta dizem se preocupar com o futuro da categoria, além de deixar claro que o comunicado não é alguma forma de ataque. 

“A F1 se estabeleceu, sem dúvidas, como o pináculo do automobilismo e, como tal, um dos esportes mais populares do mundo. Nós, pilotos, seguimos juntos para oferecer nossa ajuda para manter a F1 neste nível e além, fazendo-a adequada para os próximos anos e gerações que virão”, continuou 

“É importante apontar que esta carta é escrita com o melhor interesse de todos, a não deve ser vista como um ataque cego e desrespeitoso”, finalizou. A carta é assinada por Jenson Button, Sebastian Vettel, Fernando Alonso e Alexander Wurz. O austríaco, aliás, é o presidente do grupo. 

Fonte: Grande Prêmio 

Foi este tipo de atitude que eles deveriam ter tomado antes de toda esta bagunça acontecer. Eles deveriam ter se pronunciado não só verbalmente (como fizeram) com os responsáveis pelas mudanças, mas também por escrito para o público, deixando claro a posição deles.

Ficaram só no "somos contra", mas não enfrentaram de forma mais forte. Eu sei que deve haver trocentos milhões de empecilhos criados por Bernie e sua turminha para evitar que os pilotos tenham voz e mais, poder de decisão. Foi por isto a declaração de Kimi que o que eles acham não tem importância, mas os pilotos têm o público do lado deles e precisam sim deste apelo para enfrentar certas situações.

Espero que este episódio os tenham ensinado a lutar mais, porque o que eles pensam têm importância sim, basta que saibam como usar o peso disto de forma correta.

Beijinhos, Ludy

Nenhum comentário: