17 de março de 2016

Coluna "O que elas pensam?" by Ludy

Oi gente! Depois de um longo inverno (não publicamos nenhum texto em 2015), estamos de volta com a coluna "O que elas pensam?".

E vou abrir a temporada para vocês! Bom mundial para todos!!! #F1isBack


"Saudade, esperança e orgulho" by Ludy

Hoje, dia 17 de março, há exatos três anos, Kimi Räikkönen vencia o GP da Austrália abrindo a temporada 2013 da F1. Sua segunda e última vitória com a equipe inglesa, time pelo qual voltou à categoria depois de dois anos no mundo do rali. Equipe esta que a partir desta temporada volta a ser Renault.


E por que estou começando a primeira coluna do “O que elas pensam?” falando sobre Kimi Räikkönen? Respondo com uma única palavra, uma que só quem fala e entende a língua portuguesa irá compreender, pois ela só existe para nós: Saudade.

São três anos da última vez que ele venceu. Três longos anos. E ao ver mais uma temporada começando, mais um ano em que muitos se enchem de esperanças para um ano disputado eu só consigo sentir saudades, sentir falta da época em que ver Kimi vencer era uma realidade e não apenas uma esperança.

Sei que a Ferrari está mais competitiva, sei que da Lotus que ele saiu para este time que entrou em 2014 as possibilidades de vitória cresceram, mas desde este retorno tanta coisa deu errado, tantos problemas foram enfrentados, que perdi a conta e as esperanças. Alguns eu sei que foram de responsabilidade de Kimi, mas a sua grande maioria foi por parte de seu time atual. E assim, sem que muitos se dessem conta (mas não a gente, torcedor do Iceman) durante estes três anos desde aquele 17 de março de 2013 nunca mais ouvimos o hino da Finlândia tocar na F1.

Por isto sinto saudades da Lotus, do Kimi da equipe de Enstone, da época em que mesmo sem vencer, tudo ainda era divertido, tudo ainda era bom. Saudades de ver o Iceman cruzar a linha de chegada, de ouvir o hino da Finlândia, de vê-lo comemorar daquele jeito contido e ice dele, de vê-lo beber o champanhe antes de todos.

E quanto mais saudade eu sinto, mais percebo como será difícil encarar a F1 quando Kimi se aposentar. E infelizmente este encerramento está mais perto e provavelmente só tenhamos mais esta temporada para ver o finlandês em um carro de F1.

Então, como sonhar ainda é possível, vou me permitir o meu momento de esperança da temporada 2016, gostaria de ver Räikkönen vencer de novo antes de deixar a F1, de preferência, em Spa (porque é a casa dele) ou Interlagos (porque é a minha).

Gostaria ainda, que mesmo sem entender nadinha disto, Robin pudesse ver o papai dele no lugar mais alto do pódio, que ele vivesse isto pelo menos uma vez, e que esta memória ficasse marcada nele. Assim, no dia em que menos esperar, ele sentirá a saudade boa, aquela que aperta o peito de orgulho, porque ele se lembrará daquela memória da primeira vitória de seu pai. E neste dia ele entenderá o orgulho que nós, os torcedores de Räikkönen, sempre sentimos durante todos estes anos.

Beijinhos, Ludy

Nenhum comentário: