17 de novembro de 2015

Menos um



Patrocinadora histórica, TAG Heuer deixa McLaren ao fim da temporada e fecha com Red Bull para 2016

 Os tempos são cada vez mais sombrios para a McLaren. Diante de uma crise esportiva sem precedentes e com falta de resultados e performance que acaba sendo motivo de chacota dos seus próprios pilotos, o time de Woking, um dos mais tradicionais de toda a F1, ainda tem de lidar com a perda de patrocinadores históricos. Recentemente, a Johnnie Walker anunciou que deixará de patrocinar a McLaren para estampar sua marca na Force India. Agora, por meio do seu diretor-executivo, a marca de relógios TAG Heuer, uma das apoiadoras históricas da equipe, revelou que vai patrocinar a Red Bull e deixará a McLaren.

 “Fechamos com a Red Bull Racing na F1 para a próxima temporada. É uma equipe jovem, dinâmica e perfeitamente consistente com a estratégia da TAG Heuer”, comentou o diretor-executivo Jean-Claude Biver durante um evento de lançamento de um dos seus novos modelos em Nova York, em entrevista ao jornal suíço ‘L’Hebdo’.

Pouco depois de a notícia ser pubicado no periódico helvético, a McLaren veio a público, por meio de sua assessoria, para informar que o vínculo de 30 anos se encerra ao fim de 2015.

“A parceria da McLaren com a TAG Heuer foi uma das mais bem-sucedidas e duradouras da história do esporte. Nos últimos 30 anos, durante todo este tempo as duas partes alcançaram enorme sucesso juntas. Na pista, a equipe venceu corridas e títulos com ícones e heróis como Alain Prost, Ayrton Senna, Mika Häkkinen e Lewis Hamilton. Fora da pista, a associação da TAG Heuer com a equipe se transformou em relógios que se traduziram em sinônimo global com alta tecnologia, precisão e velocidade, três das grandes marcas da McLaren. É com gratidão que nós anunciamos o fim dos nossos 30 anos de parceria, satisfeitos que ambas as partes fizeram um grande trabalho”, afirmou a equipe.

“A nossa relação com a empresa proprietária da TAG Heuer, a LVMH, continua via nosso novo patrocinador com a Chandon, anunciado no mês passado”, complementou.

 A debandada de patrocinadores da McLaren teve início com a saída da Vodafone, ao fim de 2013, e do Banco Santander no ano seguinte. Assim, a equipe, que já não conta com um patrocinador máster desde o ano passado, terá de enfrentar uma queda considerável no seu orçamento, uma vez que dificilmente deverá terminar o Mundial de Construtores acima da nona colocação.  

Recentemente, a McLaren anunciou o patrocínio e uma parceria de longo prazo com a Chandon, tradicional marca de champanhe, porém não se trata de um patrocinador principal, como é a Martini, no caso da Williams, por exemplo.
(fonte: Grande Prêmio)
***

Sinceramente, o problema da McLaren AINDA não é dinheiro. É claro que é sempre ruim perder patrocionador, mas a HONDA está investindo pesado. O problema é resultado... e isso é algo difícil de se resolver!

Bjusss, Tati

Um comentário:

w disse...

Concordo, Tati, afinal tendo a Honda por trás, grana não falta, mas vindo os resultados em pista, o resto será acrescentado!