15 de outubro de 2015

Webber me representa

Webber critica F1 “muito técnica” e pouco inspiradora para fãs: “O público quer ver heróis e gladiadores”

Mark Webber não está exatamente animado com a F1. Perto de decidir o título do Mundial de Endurance, Webber vê a F1 com o pessimismo de muitos fãs e o saudosismo que impera no esporte

Mark Webber é mais um no coro de que a F1 não é mais o que costumava ser tempos atrás. Brigando pelo título mundial do Mundial de Endurance, Webber criticou o excesso de tecnicalidades na F1 e a falta de incentivos para os fãs acompanharem a entenderem o que se passa.

Como exemplo, Webber pegou os preços altos dos ingressos para os autódromos e misturou com a diminuição da velocidade dos carros. Para ele, não há muito motivo para pagar tanto quando o atual campeão mundial cruza as curvas na mesma velocidade que os carros da GP2.

"Ontem à noite eu estava em um hotel em Graz e assisti uma corrida do Senna da câmera do cockpit. Por que eu faria isso hoje? Porque a F1 não é mais de figuras. É muito técnica, não inspira mais os fãs. O público quer ver heróis e gladiadores, mas a F1 não entrega mais isso", avaliou. 

"Você compra uma entrada por €500 [cerca de R$ 2.200] e vê Lewis Hamilton saindo da curva. Depois disso, vê a GP2 e Mitch Evans sai da curva com a mesma velocidade que Hamilton. Mas por isso ninguém quer gastar €500", disse. 

Seguiu dizendo que é algo crítico quando nem ex-pilotos, como ele, entendem mais do que se trata. "Quando caras como eu, que estiveram no meio da ação por tanto tempo, não entendem mais o esporte, então como o fã normal vai entender?", questionou. 

Webber ficou na F1 por 12 temporadas, entre 2002 e 2013, por Minardi, Jaguar, Williams e Red Bull. Nesse período, participou de 215 GPs e venceu nove.

Fonte: Grande Prêmio

É exatamente isto aí Webber. Anda complicado mesmo! 

Na vrdade, hoje, quem é fã do esporte, ou fica porque torce por um determinado piloto ou determinada equipe. A F1 de hoje não cativa novos torcedores.

Tudo é superficial. Ultrapassagens que precisam de DRS, falta de competitividade, comissários de prova que punem toda e qualquer disputa de corrida, ingressos absurdamente caros, um carro de F1 sem barulho (porque aquilo não é barulho de motos nunca!!!!) e aqui no Brasil, zero, mas zero de eventos onde os pilotos possam interagir com os fãs, como vemos em TODOS os outros países do mundo.

Ou seja, só por amor mesmo, porque está muito difícil.

Beijinhos, Ludy

Um comentário:

Julia Souza disse...

Realmente,desde 2010 quando tentaram mudar o regulamento para tentar deixar a categoria mais competitiva, só piorou.A F1 virou um laboratório de tencnologia para carros e estar cada vez mais chata, tem um dos melhores grids da história, cheio de campeões mundiais, bons pilotos e é uma chatice toda corrida. Ultimamente só assisto só a largada,as vezes.