James Allison analisa atual situação da Lotus no Mundial

Diretor da Lotus diz que vantagem de Alonso “é minúscula” e acredita em Räikkönen na briga pelo título

James Allison, diretor-técnico da Lotus, está empolgado com relação à situação de sua equipe na temporada de 2012. O dirigente disse que o time não vai repetir os erros dos últimos dois anos na tentativa de vencer pela primeira vez em 2012, e minimizou a vantagem de Fernando Alonso para Kimi Räikkönen

Aprendendo com os erros do passado. É nessa linha que vai o discurso de James Allison, diretor-esportivo da Lotus. Nesta sexta-feira, em entrevista à emissora britânica Sky Sports, o dirigente revelou que a Lotus não vai cessar o desenvolvimento da E20, confiante que está nas chances de vitórias e até de títulos neste equilibrado campeonato.

Segundo Allison, o time abriu mão das duas últimas temporadas prematuramente, descrente em alcançar grandes resultados. O mesmo não pode ser dito da atual temporada, principalmente com os pódios conquistados e boas apresentações como a do último domingo, na Hungria, quando os dois pilotos do time aurinegro disputaram o primeiro lugar.


“Uma das coisas que erramos nos últimos dois anos foi que decidimos pensar no novo carro muito cedo”, disse Allison, que afirmou que este era o pensamento antes mesmo de a abertura do campeonato, no GP da Austrália: “Começamos este ano com a intenção de desenvolver o carro até mais tarde”

Questionado se pensa que a Lotus poderá continuar até o fim nesse mesmo ritmo, disputando as primeiras posições, foi incisivo: “Por que não?”

Os 48 pontos de desvantagem que o primeiro piloto da escuderia baseada em Enstone, Kimi Räikkönen, tem para o líder do Mundial, Fernando Alonso, não desanimam ninguém por lá. “Você ganha muitos pontos por terminar em primeiro e temos muitas corridas ainda por fazer”, disse, antes de minimizar os pontos a mais somados pelo espanhol: “A liderança é minúscula se comparada à quantidade de pontos em jogo”.

Restam 11 prova para a conclusão do Mundial de F1, e o finlandês ocupa a quinta posição na tabela de pontuação, atrás de Alonso, Mark Webber, Sebastian Vettel e Lewis Hamilton, nesta ordem. 

A última vitória da equipe veio quando ela ainda se chamava Renault e era comandada pelo italiano Flavio Briatore. Quem conduziu o bólido para a glória foi justamente o líder de 2012, Alonso, no GP do Japão de 2008, em Fuji. Foi também ele que, em 2005 e 2006, levou o time ao bicampeonato mundial.

Fonte: Grande Prêmio

Pensamento de equipe grande, é assim que tem que ser. Não pode pensar em desistir de nada mesmo, já que realmente a situação para a equipe é boa. Está crescendo, em terceiro no Mundial de Construtores, os dois pilotos têm pontuado (Kimi mais constante do que Grosjean), e acho que a segunda parte da temporada será ainda melhor. #Ludyesperançosa

Sobre a vantagem de Alonso, acho que a Tati mesma falou isto aqui semana passada (ou esta? já nem lembro...rsrsrs), é uma boa gordura, sabendo administrar (o que Fernando sabe bem) e contando com problemas para os adversários diretos na luta, será tranquilo para ele. 

Mas também entendo o que Allison diz. Hoje uma vitória vale muitos pontos e faltando 9 provas (e não 11 como está na matéria) para o campeonato terminar, parando para pensar, a vantagem é realmente pequena.

Acho que teremos uma segunda metade de campeonato espetacular. #Ludyansiosa

Beijinhos, Ludy

Comentários

Moni disse…
Não faltam 9 corridas para o final???
Sim, faltam 9. Eles erraram na matéria.

Ludy
Anônimo disse…
Isto é porque ter Kimi Raikkonen como piloto faz toda a diferênça. D+

Eu queria escutar isso do diretor da Mclaren sobre JB - Será? um dia JB...

Anne
Alisson tem razão, a vantagem é "mínima", mas ele tem sabe (ou deveria saber) que com Alonso, se houver carro, é suficiente!

Bjuss, Tati
wagner disse…
Automobilismo não é uma equação exata, mas por mais que a Lotus tenha crescido, ainda acho que o grande diferencial chama-se Kimi Raikkonen!Na Hungria, vimos a diferença entre uma realidade e uma suposta promessa quando Kimi ultrapassou Grosjean, a famosa capacidade técnica/psicológica.
José Renato disse…
Jamais deixei de acreditar no título. Estamos muito vivos.
Guilherme disse…
Parece que ninguém notou na confiabilidade dessa Lotus, está ótima, Raikkonen quebrou seu recorde pessoal de GPs consecutivos completados, já está com 11 completados, antes dessa Lotus, seu recorde pessoal era de 9 completados, só não lembro se foi na Ferrari ou na McLaren, no carro do Grosjean só teve um problema técnico, que é responsabilidade da Renault, e não da Lotus. Então no quesito confiabilidade, a Lotus está 100%

Isso conta muito em um campeonato, mais ainda quando é uma temporada mega equilibrada.

Essa temporada está me lembrando a de 2003 do Kimi, quando a McLaren era a terceira força, e por causa da confiabilidade da McLaren e a regularidade do Raikkonen, conseguiu o vice, com 2 pontos a menos do campeão.
Sim Guilherme, com certeza. E espero que continue assim! :)

Só não quero que termine como 2003... rsrsrs

bjs

Ludy

Postagens mais visitadas