Maria de Villota: teste na Renault

Maria de Villota, da Superliga, testa Renault de 2009 em Paul Ricard

A Renault proporcionou a Maria de Villota uma experiência rara para pilotas: conduzir um carro de F1. Sem detalhar quando tal fato aconteceu, apenas mencionando este mês de agosto, a equipe informou que a espanhola de 32 anos testou o R29, carro utilizado na temporada 2009, no circuito de Paul Ricard.

"Como pilota, fiquei muito feliz por ter a oportunidade de pilotar em um carro de F1", disse Maria. “A F1 é o ápice do esporte a motor e sempre foi um sonho para mim. A experiência foi muito boa, as condições eram as ideais e a equipe me fez sentir à vontade imediatamente", elogiou.

Maria não é das pilotas com melhores resultados na carreira. Com presença pouco frequente em competições automobilísticas, tem mais participações especiais do que temporadas completas em seus dez anos no esporte.

Filha do ex-piloto de F1 Emilio de Villota, que competiu na categoria no fim da década de 1970 e no início dos anos 1980, Maria começou a correr com 22 anos, na F3 Espanha, e lá permaneceu até 2005, sempre sem resultados marcantes. Depois, enveredou pelos campeonatos de turismo, mas não chegou a ser presença constante. Em relação aos resultados, tudo igual.

Só há dois anos Maria teve novo contato com o automobilismo de fórmula, pilotando o forte carro da Superliga. Acostumada ao motor V12 e ao modelo pesado que conduz desde 2009, a pilota afirmou que logo se habituou à Renault de dois anos atrás. "Não levou muito tempo para que eu me acostumasse com o carro. Depois de eu me sentir confortável com ele, pude começar a forçar. Curti muito a experiência", falou. "Fiquei impressionada com o profissionalismo da equipe. Quero agradecer muito ao time por esta oportunidade."

Eric Boullier, chefe da Renault, exaltou a adaptação de Maria e se permitiu fazer um elogio próprio, por conta das oportunidades que a Renault tem proporcionado a pilotos. "Ficamos muito contentes de oferecer a Maria uma chance de pilotar no R29. Como equipe, nós nos orgulhamos de nossa habilidade de avaliar novos talentos e oferecer diferentes oportunidades para pilotos", disse.

Com cinco reservas — Bruno Senna, Romain Grosjean, Fairuz Fauzy, Jan Charouz e Ho-Pin Tung —, a Renault recentemente concedeu também a Robert Wickens a possibilidade de pilotar o R29 durante um evento da World Series. Boullier disse que De Villota cumpriu o programado, o que foi bom. "Maria fez exatamente o que esperávamos dela: deu um passo de cada vez e atingiu alguns tempos de volta bastante razoáveis, sem cometer nenhum erro", declarou. Antes de Maria, a última pilota a conduzir um carro de F1 em um teste do tipo havia sido Katherine Legge, pela Minardi, em 2005.
(fonte: Grande Prêmio)

**

Coitada... deram a ela logo o R29?!?! hehehehe Com aquela draga não dá para mostrar nada!!! Eita carrinho ruim!! MEO DEOS!!!! rs

De qualquer forma, é muito legal a oportunidade, ainda que eu não acredite que algum dia uma mulher terá chance de disputar um campeonato de forma regular...

Bjinhus, Tati

Comentários

Rebeca disse…
Eu sinceramente fico animada com esse tipo de notícia. Não acho que seja impossível ver uma mulher na F1, muito difícil, mas não impossível. :)

E seria muito f@#$%¨& também, pra ser sincera, rs.

Postagens mais visitadas deste blog

Roubou a cena!