Especial "Grandes Pilotos"...



Falar sobre Gilles Villeneuve não é uma tarefa fácil para mim. Sou suspeita, adoro este piloto, mesmo não sem a oportunidade de tê-lo visto correr ao vivo. Portanto, como uma forma de homenagear este piloto que para os ferraristas foi um de seus heróis, segue um pequeno resuminho do que foi e de quem foi este racing driver tão amado pelo Comendador Enzo Ferrari.

Nascido em Berthierville (Quebéc), em 18 de janeiro de 1950, Joseph Gilles Henri Villeneuve está entre os pilotos considerados os melhores da Fórmula 1, ainda que tenha conquistado somente seis vitórias em 67 corridas disputadas na categoria, entre 1977 e 1982.

Filho de Séville, um afinador de pianos, e Georgette, dona-de-casa, Gilles teve uma vida bem simples, e como o baixo orçamento familiar não lhe permitiria obter grandes avanços para sustentar sua carreira, teve de se virar sozinho para dar continuidade ao seu sonho. Durante vários anos, obteve relativo sucesso disputando provas na neve, até que, em 1973, fez sua estréia no automobilismo, disputando a Fórmula Ford de seu país, vencendo sete das dez provas que disputou e levando o título de melhor estreante do ano. Netsa época o franco-canadense já estava casado há três anos com Joann Barthe e tinhas dois filhos, Jacques (1971) e Mélanie (1973).

Gilles começou no automobilismo em 1975, depois de uma breve e vitoriosa carreira como piloto de snowmobile em campeonatos no Canadá. Com as quatro rodas, antes de chegar à F-1 ele foi campeão canadense e norte-americano de Fórmula Atlantic em 1976 e repetiu o título canadense em 1977. Neste ano, em uma corrida no circuito de Trois Riviere que contou com a presença de pilotos da Fórmula 1, derrotou e impressionou positivamente o então campeão mundial James Hunt, que acabou dando ao piloto uma oportunidade para disputar o Grande Prêmio da Inglaterra, em Silverstone, com um terceiro carro da equipe McLaren.

Nesta prova, com um velho McLaren M-23 (mesmo modelo usado por Emerson Fittipaldi ao vencer o campeonato de 1974) Gilles largou da nona posição, entre os pilotos oficiais da equipe, Hunt e Jochen Mass, mas problemas mecânicos o atrasaram, e o canadense terminou a corrida na 11ª posição. A McLaren não chamou o canadense para as provas seguintes, mas a Ferrari gostou do estilo do piloto e o convidou para ser companheiro do argentino Carlos Reutemann ainda em 1977.

E foi na casa dos tifosi que Gilles presenteou os torcedores da F-1 com suas verdadeiras batalhas na pista, seu estilo arrojado e audacioso, sua extrema habilidade ao volante. Para o piloto da Ferrari nunca houve uma corrida perdida, o que valia mesmo era a diversão, o show, era o automobilismo em sua mais pura essência. Por causa destas características, e seus incríveis acidentes, Gilles acabou recebendo o apelido de "piloto voador". O mais grave acidente já vivido pelo canadense antes daquele que o tiraria a vida, aconteceu no Japão em 1977, quando Villeneuve bateu com o sueco Ronnie Peterson e seu carro foi lançado na direção de dois espectadores, que assistiam a prova em local proibido e morreram.

Em 1979, com a saída de Reutemann e a chegada do sul-africano Jody Scheckter, a Ferrari garantiu o primeiro e o segundo lugares do mundial, com Scheckter campeão por antecipação. A partir do ano seguinte, por promessa do próprio comendador Enzo Ferrari, a equipe passou a direcionar esforços em prol de Villeneuve, mas não foi capaz de se manter na frente dos outros times. Depois de duas vitórias e uma boa temporada em 1981, quando a Ferrari entrou para o grupo das equipes com motores turbo, Villeneuve se tornou o maior favorito para a temporada de 1982.

Só que esta posição não foi esclarecida para o outro piloto da equipe, o francês Didier Pironi, amigo de Villeneuve. Esta falta de comunicação teve seu auge no Grande Prêmio de San Marino, quando Pironi ultrapassou Villeneuve nas voltas finais, descumprindo o que havia sido acordado entre os dois e a equipe, vencendo a prova. O fato abriu uma crise interna, já visível no pódio após a corrida. Depois daquele dia Villeneuve extremamente chateado não falou mais com o francês. Com toda a confusão causada pelo episódio acabou gerando boatos de que Villeneuve, por estar magoado com a Ferrari, se transferiria para a Williams na temporada de 1983.

E para piorar ainda mais a situação, a rivalidade criada pelo fato de San Marino resultou na morte de Gilles Villeneuve. Durante os treinos para o GP da Bélgica no autódromo de Zolder, na disputa para superar o melhor tempo feito por Pironi no treino de classificação, Villeneuve estava em sua última volta rápida quando encontrou, em uma curva de alta velocidade, o March do alemão Jochen Mass retornando para os boxes em velocidade menor. Um erro de cálculo fez com que as rodas dos carros se tocassem e a Ferrari foi lançada ao ar, seguindo-se uma seqüência de capotagens que partiu o cockpit ao meio e arremessou o corpo de Villeneuve para o outro lado da pista. O canadense não estava respirando quando a equipe de socorro chegou ao local, mas foi oficialmente declarado morto mais tarde, em um hospital local. Foi no dia 8 de maio de 82 que o mundo perdeu Gilles Villeneuve. A comoção da perda do franco-canadense só foi igualada com a morte de Ayrton Senna (que tinha Gilles como seu ídolo), 12 anos depois.

Villeneuve deixou sua marca na F-1 e mesmo aqueles com quem teve as mais árduas disputas na pista, como o francês René Arnoux, admiravam seu caráter simpático e amigável, e principalmente sua lealdade como competidor, mesmo com tanto arrojo.

Infelizmente para os fãs de Gilles (especialmente aqueles que como eu não puderam presenciar o talento do piloto), o título não veio, mas pelo menos o nome Villeneuve foi honrado na categoria máxima do automobilismo, 15 anos depois, quando seu filho, Jacques Villeneuve sagrou-se campeão do mundo de F-1, em Jerez de la Frontera em uma disputa famosa com o alemão Michael Schumacher, em 1997.

Vitórias na Fórmula 1
GP do Canadá, 8 de outubro de 1978
GP da África do Sul, 3 de março de 1979
GP dos Estados Unidos (Oeste)- Long Beach, 8 de abril de 1979
GP dos Estados Unidos (Leste)- Watkins Glen, 7 de outubro de 1979
GP de Mônaco, 31 de maio de 1981
GP da Espanha. 21 de junho de 1981

Vídeos:
Disputa com René Arnoux
Suas loucuras na pista
Tributo 1
Tributo 2

“My past is scared with grief... my father, mother, brother, sister, wife… my life is full of sad memories. I look back and I see my loved ones… and among my loved ones I see the face of this great man: Gilles Villeneuve.” – Enzo Ferrari

Beijinhos, Ludy

Comentários

Lindo minha irmã!!!
Estes Villeneuves são especiais!!!!
Espero que os próximos, Jules e Joaquim, tb nos encantem!!!! Já pensou o orgulho do vovô e do papai!???
E das titias aqui!!! hahahaha

bjinhoss

Tati
Anônimo disse…
Ai...acho que morro se vir um destes meninos correrem...enfarto...mais uma geração dos Villeneuve nas pistas seria minha glória!!! hehehehehe
hjg disse…
Wow, excelente blog, parabens.
Salut Gilles!
Anônimo disse…
Um homem de grande talento natural! Gilles Villeneuve era veloz com qualquer veículo a motor até no dia da sua morte ele chegou fazendo acrobacias em seu helicóptero no autódromo.Foi uma surpresa geral na Itália sua contratação, chegou como desconhecido, menos de 3 anos no automobilismo e já estava pilotando um Mclaren na F1.Na verdade Enzo Ferrari fez uma aposta com ele mesmo, acreditando no talento do canadense. Me lembro do dia de sua morte, estava dormindo e meu pai me acordou avisando do acidente.Eu tinha 13 anos nessa época e acompanho a Formula 1 desde o finalzinho de 1980. Foi um choque! Nunca tinha visto um piloto morrer, Depallier morreu na metade de 1980 mas não cheguei a ver(ou não me lembro) rs.
O acidente de Gilles foi muito violento, na minha opinião, Gilles foi pego de surpresa na saída da curva, uma "chincane" antes do acidente ele já tava acompanhando o Mass sabia que estava se aproximando e ia fazer a ultrapassagem.Acho que Gilles imaginou que Mass ia tirar o carro para a esquerda e não aliviou o pé do acelerador já que era a última tentativa de fazer a volta rápida.E o carro tinha o efeito-solo que "grudava" o carro nas curvas e estava em altíssima velocidade, mas teve o toque e o carro saiu voando.infelismente!
Gilles no Grid de largada já justificava o preço do ingresso! Sua morte realmente teve impacto no mundo todo assim como aconteceu com Senna.

Achei esses 3 vídeos que mostra no final o funeral de Gilles,emocionante por sinal e mostra ele em caixão aberto no velório.

Valeu por tudo Gilles!

Gilles Villeneuve Part1
http://www.youtube.com/watch?v=LngCJAxF6to


Gilles Villeneuve Part2
http://www.youtube.com/watch?v=ar8IgNGMIKc&feature=related


Gilles Villeneuve Part3
http://www.youtube.com/watch?v=lt8HOzP-aMg&feature=related

Postagens mais visitadas deste blog

Mas logo o Maradona??

Alonso em 2023

Roubou a cena!